Browse Category

Visão empresarial

BusinessEmpreendedorismoLifestyleMentoriaVisão empresarial

Como começar a empreender?

posted by Andréa Aguiar Setembro 13, 2016 0 comments

Muitas pessoas me perguntam como começar a empreender, ou como sair de um emprego e começar um novo projeto, ou como começar a cobrar por algum trabalho que já desenvolvia como hobby… O que parece é que chega uma hora na vida que a gente recebe um recado urgente do Universo. Não dá mais pra ficar onde a gente está. Que a gente tem que fazer algo novo, tem que sair da zona de conforto.

E produzir. E inovar. E ter uma vida ‘confortável’ fazendo isso.

No primeiros meses, de quando eu larguei a minha zona de conforto e tava cheia de dúvidas, questionamentos, medos, e toda a sorte de insegurança, eu magicamente encontrei no google um curso de “empreendedorismo criativo”. Li a descrição, parecia que aquela curso tinha sido escrito para MIM, naquele momento da minha vida. Era em São Paulo. Pois eu juntei minhas milhas, as da minha mãe, liguei prum amigo que morava em SP pedindo para ficar na casa dele e fui.

Não poderia ter feito coisa melhor! O curso era com Rafaela Cappai da Espaçonave. E aqueles dois dias de imersão com ela, criaram novos paradigmas para minha nova jornada. Saí de lá com a certeza que estava no caminho certo, com ferramentas que me ajudariam a nortear meu percurso e cheia de segurança para encarar os desafios.

Então, o que eu tenho para dizer pra vocês que me perguntam como começar a empreender: escutem Rafaela Cappai.
E numa parceria incrível da Espaço Garimpo, consultoria e produtora criativa, juntamente com a Jump, aceleradora de negócios do Porto Digital, Rafaela Cappai estará aqui em Recife, ainda este mês. Uma palavra: IMPERDÍVEL. Eu já comprei meu ingresso. Vamos nessa?

BusinessEmpreendedoraEmpreendedorismoEmpresáriaPlanejamento FinanceiroVisão empresarial

Planejamento Financeiro. Não deixe para amanhã, nem para depois. Faça AGORA!

posted by Andréa Aguiar Setembro 29, 2015 0 comments

Se tem uma coisa que nós empreendedores criativos gostamos de deixar de lado são as planilhas. Sim, elas e aquele programinha tão necessário e sumariamente ignorado, Excel.

1. Quem aí antes de abrir seu negócio, criou planilhas simulando com custos fixos, despesas fixas, variáveis, impostos?

Talvez um ou outro, irá responder que sim. Talvez!

Aí vem a segunda pergunta:

2. Quem aí tem o hábito de alimentar essas planilhas regularmente?
( Vocês sabem que elas não são preenchidas, assim, como obra e graça do Divino, não né?! Assim… to perguntando porque a gente nunca sabe, né!? 🙂

Aí, do percentual das pessoas que talvez tenham respondido “sim” à primeira pergunta, esse percentual deve ter caído drasticamente, para uns 20%, e olhe lá. E agora a terceira, e última, pergunta:

3. Alguém aí, depois de disciplinadamente alimentar suas planilhas todos os dias, faz um balanço do faturamento ao final do mês?

Tchan

Tchan

Tchan

Tchan…

Sobrou alguém?

É, meus caros, sinto muito lhes informar, se você não tornar isso um hábito, muito provavelmente vai chegar o dia em que a sua vida vai estar um “samba do crioulo doido”, que em bom português, significa uma loucura!

Eu sumi porque a minha vida estava (está?) completamente fora dos trilhos. Eu estava bem no meio dessas perguntas aí de cima. E olhe que eu respondia sim às duas primeiras perguntas, mas ao final do mês eu não parava para analisar os resultados, muito menos parava para criar estratégias para os meses seguintes. Aí chegou o dia que tudo estava uma desordem tão grande que não dava pra continuar jogando esse ‘probleminha’ para debaixo do tapete.

Estou encarando ele de frente, como se encara um tigre com os dentões escancarados prestes a nos atacar, e a gente tira energia não sei de onde para gritar mais alto, e mostrar pra esse tigre quem manda nessa birosca. Eu estou exatamente neste momento.

Passei por aqui apenas para dizer a TODOS vocês que pensam em, um dia, abrir seu próprio negócio, ou que já tem, mas não estão dando a devida atenção ao planejamento financeiro. Parem tudo o que estão fazendo, e planejem.

Eu queria muito que alguém, por enquanto eu criava a minha empresa, tivesse segurado a minha cabeça, olhado bem no fundo dos meus olhos e tivesse me dito: “VOCÊ PRECISA TER UM PLANEJAMENTO FINANCEIRO, UM PLANO DE NEGÓCIOS. ISSO NÃO É BALELA ADMINISTRATIVA”. Tem um monte de gente que me procura, pedindo ajuda de por onde começar quando for abrir seu negócio. Por isso eu parei aqui para dizer a todos vocês, para que não precisem passar pelo que eu passei:

Antes de abrir seu negócio, tenha duas coisas bem claras:

1. Quanto você quer ganhar por mês?

2. Tenha esse valor em caixa, e mantenha esse valor sempre em caixa. Esse é, e deverá sempre ser o seu capital de giro mínimo.

Sinto muito lhes dizer, mas o seu negócio não depende apenas do seu talento para fazer o que quer que você faça. Seja bolo, consultoria, design, assessoria, vídeo, foto, software, ou seja lá o que for. PLANEJAMENTO e gestão são essenciais para o negócio, e muitas vezes são eles que diferenciam os que ficam e os que saem do mercado.

Quem quer mais dicas sobre planejamento financeiro, clica no coraçãozinho ao lado do título, ok?

Beijo no coração, e uma jornada maravilhosa para vocês.

BusinessEmpreendedorismoEmpresáriaVisão empresarial

A crise é o novo bicho papão.

posted by Andréa Aguiar Setembro 15, 2015 0 comments

Vocês conhecem a história do bicho papão?

Pra quem foi criança na década de 1980, certamente já sentiu medo, ou ficou apavorada com a hipótese de ser sequestrada pelo bicho papão, e ser levada numa kombi, caso saísse de casa sem avisar, ou andasse para longe dos pais na praia, ou qualquer outro comportamento que desobedecesse às ordens superiores.

Pense numa educação moderna e respeitosa! 🙂 Mas, era assim que muitos dos pais impunham limites aos seus filhos.

Aí as crianças crescem, viram adultos e começam a incorporar novos bichos papões às suas vidas. “Abrir meu próprio negócio? Imagina, preciso saber quanto vou ganhar no fim do mês”. O bicho papão vai pegar você se você não trabalhar direitinho nas 8 horas comerciais, e garantir seu sustento no final do mês. “Abrir um negócio agora em plena crise? Tá vendo que não rola. Tá todo mundo fechando as portas”. O bicho papão vai pegar você, se você for contra a maré. “Trabalhar no que amo? Tá vendo que isso é coisa de neo-hippie falando. Esse povo não lê jornal não é?” O bicho papão vai pegar você, caso você se atreva a perder seu tempo descobrindo o que você realmente ama nessa vida, e não garantir seu salário (baixo) no fim do mês.

Eu podia ficar aqui escrevendo mil hipóteses, e as respostas ‘sociais’ que seriam dadas a quem ousasse proferir determinadas frases em plena crise, ou não! Falo disso porque se tem um assunto nessa vida atual sobre o qual eu não consigo ouvir falar é essa tão alardeada “crise”. Entre aspas porque sim, duvide do que lê, duvide do que ouve, duvide do que falam. Essa crise é um belo bicho papão reeditado. Não podemos dizer que nada está acontecendo, mas também não podemos nos paralisar pela possibilidade do bicho papão nos pegar, néam?!

O que eu tenho a dizer sobre isso:

1. Foco!
Toda vez que você vê mais obstáculos do que soluções é porquê você tirou os olhos dos seus objetivos, do que realmente importa. (Matheus, Nelson.)

Ontem, eu estava divagando sobre como todo esse blablabla de crise nos contamina negativamente, a gente começa a questionar nossos caminhos, nossas escolhas. Se eu to delirando, investindo no crescimento da minha empresa em plena “crise”. Mas, ao mesmo tempo com raiva, porque eu não quero saber dela, já disse: A crise não entra na minha vida! Pode rir, mas no final é isso. Para a maioria dos mortais, a crise é escolha. Há quem perde, há quem se reinventa e há quem ganha (e muito!).

2. Faz o teu!
O que existe aí fora, sempre existirá, de uma maneira ou de outra. Seja crise, seja violência, seja trânsito caótico, seja falta de amor, de gentileza… A nossa ingerência individual sobre isso é pequena. Mas, o que você faz, na sua vida, para ter a vida que você realmente quer? Como é que você trata as pessoas ao seu redor para ser tratada da forma como você acha legal?

Faz o teu, que é onde você tem 100% de poder sobre o que você enxerga no mundo.

3. Sempre é tempo de mudar!
Eu acho que praticamente todos nós temos idade suficiente para termos presenciado toda sorte de crises. Econômica, política, pessoas, social. Já enfrentamos um sem fim de problemas. Aí quando paramos para analisar como cada um saiu, depois de entrentá-las começamos a enxergar as diferenças. Problemas seeeempre existirão, encontrar a melhor forma de lidar com eles, é o segredo da vida.

Vamos à luta, e manter o foco que é o melhor que fazemos por nós, e por nossos negócios!