Browse Category

Sem categoria

Sem categoria

colocar título aqui #22

posted by Andréa Aguiar Agosto 13, 2015 0 comments

Criei esse espacinho basicamente para falar dos meus dilemas como empreendedora. Mas, certamente muitos deles têm origem na minha vida pessoal, de desafios que enfrento como ser humano, antes de tudo, e que, depois, reverberam no meu trabalho.

Por isso, hoje eu queria compartilhar uma historinha que não fala exatamente de trabalho, mas fala muito das limitações que nós mesmas criamos para nos impossibilitar de ir em frente, de trilhar nosso verdadeiro caminho, de brilhar.

Nos últimos dias eu vinha reclamando muito. Que estava cansada, que meu filho mais novo acorda muito à noite, que dormir 7 horas por noite parecia coisa de ficção científica, e blablabla ou mimimi.

Aí na sexta-feira, comentei sobre esse cansaço em um grupo fechado, de um curso que faço, aqui no Face. Em um dos posts que eu tinha escrito sobre isso, Paula Abreu (a facilitadora do curso) deixou um recadinho pra mim. Fiquei super empolgada quando vi o aviso, durante os segundos que o Facebook levou pra carregar o comentário dela, fiquei pensando na fórmula mágica que ela ia me passar pra acabar com todo o meu cansaço.
E eis que quando carregou, estava lá “Sua realidade é ser mãe de um bebê de 10 meses, nós aqui do PESV (Programa Escolha sua Vida), acreditamos que o momento presente é sempre perfeito”. Pá!

Confesso que foi meio que levar um tapa na cara, sabe?! Pensei, pô, ela repetiu essa frase que ela diz sempre, nem se preocupou em falar especificamente pra mim, e segui. Mais vítima ainda da minha vida.

Então, ontem, no dia das Mães, fomos almoçar na cada da minha mãe, e eu estava lá me sentindo cansada, sonhando que alguém ficasse com meu baby durante meia hora pra que eu conseguisse dormir. Ninguém se ofereceu. Pedi, minha mãe disse que tinha que fazer isso, isso e aquilo outro, depois ficava. Pá pá!

Resolvi descer com ele pra o calçadão perto da praia. dei uma volta. Fui carregando, abraçando, brincando. Ele morrendo de rir, demos muitas gargalhadas juntos. Quando subimos, ele adormeceu. Aí eu olhei pra ele, olhei pra cama, e decidi que não precisava dela.

Peguei meu filho mais velho de 2 anos e 10 meses, tirei a camisa dele, as sandálias, minhas e dele. E descemos para a praia.

Jogamos bola, assistimos um pessoal jogando tênis, e corremos. Pra um lado, pro outro. Ele avistou umas pipas lá longe no céu e disse: quero pegar aquelas pipas. Eu: tu consegue, cara? Ele soltou um desanimado: “não…” Naquela hora eu olhei pra ele e disse que tudo o que a gente quer e corre atrás, a gente consegue. E saímos correndo desgovernados em direção às pipas no céu.

Minha gente, de repente, uma pipa desequilibra e cai no chão, eu não acreditei. A gente correu tanto, passamos pelo dono da pipa e agarramos ela. Ele começou a pular com um sorriso gigante no rosto, depois soltamos e ela voltou a voar.

Esse momento foi foda pra mim. Eu chorei. Ele nem viu. Depois entramos de roupa e tudo no mar. Mergulhamos, pulamos ondas e voltamos em êxtase pra casa.

No banho, eu pensei: a minha realidade é ser mãe de dois meninos: um de 10 meses, e outro de 2 anos e 10 meses.
“Obrigada, Senhor!”

Muitas vezes, tudo o que a gente precisa é mudar a perspectiva com a qual a gente enxerga os fatos

Sem categoria

colocar título aqui #21

posted by Andréa Aguiar Agosto 13, 2015 0 comments

Hoje eu trabalho com o que gosto, do jeito que gosto, onde gosto, o quando, ainda to lutando pra definir melhor, mas vai chegar. Hoje, eu me considero bem-sucedida. Sim, sem empáfia, sem arrogância. Eu me considero bem sucedida porque hoje eu me vejo no caminho certo, me vejo sendo coerente com meus principais valores. Hoje eu acordo, e já fico cronometrando os minutos até chegar no escritório e colocar em prática o que pensei nas últimas horas, o que sonhei dormindo, acordada…

É, porque empreender tem disso, a gente não tem hora de ‘pegar’ e ‘largar’. O tempo todo a gente tá pensando nos projetos, pendências, listas a fazer, próximos passos, como escalar o negócio, enfim, eu poderia passar o dia só escrevendo sobre meus planos e sonhos como empreendedora.

Mas, a questão é que nem sempre foi assim. Por muito tempo eu trabalhei sem vontade, sem brilho nos olhos, sem acreditar no que estava fazendo… e vou te contar: eu me deixei apagar por causa disso. Vivia me escondendo. Quando eu ouvia as pessoas falarem dos trabalhos delas, eu fazia de um tudo pra o assunto não chegar em mim, porque eu não ia ter o que contar, o que falar, o que vibrar! Ah, e como isso é ruim. Eu sei bem.

Só queeeee…, o tempo passa, e graças a Deus, além das rugas e dos quilos a mais, a gente ganha uma coisa que ninguém nos tira, e ninguém mais além do tempo pode nos dar: experiência.

Hoje, eu enxergo esse tempo passado completamente diferente. Hoje, eu agradeço por tudo o que vivi. Tenho absoluta certeza que eu não teria sido feliz, ou acertiva, se tivesse saído antes daquele emprego que eu já não queria mais. Foi lá que aprendi boa parte do que sei hoje, esqueçam a faculdade, lá foi a minha escola. Eu trabalhava num jornal de circulação diária, o maior da minha cidade. Quase tudo o que eu fazia, tinha que ser para amanhã. Eu tinha que ser criativa, criar o ‘diferente’, mas sempre com a mesma mídia (papel jornal) e mesmo formato. De cadernos que tratavam de cultura, a política, economia, violência. O desafio era diário. A pressão, absurda.

E eis que, hoje, posso tranquilamente trabalhar com prazos curtos, atender vários perfis de clientes e ter a sensibilidade de enxergar as necessidades de cada um, fazer ‘trocentas’ coisas ao mesmo tempo sem achar ruim, pelo contrário. Um sem fim de coisas que eu não teria aprendido em nenhum super-mega-curso-caríssimo-e-badalado, não teria aprendido deitada no sofá esperando o trabalho dos meus sonhos me mandar um email. Não, eu tava lá. Ralando todo dia, tentando fazer meu melhor, e acreditando que dali, eu ia para outro lugar melhor.

Sei que é praticamente impossível manter um mínimo grau de felicidade estando insatisfeita com a atual atividade, mas o que eu quero dizer, hoje, é que se você está onde está, este é o melhor lugar para você, hoje. O futuro, a gente constroi agora. E tem uma frase que tento mentalizar sempre que to pra baixo, que aprendi com Paula Abreu. “O momento presente é sempre perfeito”.

++++++++++++++++++

Esse texto é em homenagem a duas grandes amigas queridas. <3 <3 <3

Sem categoria

Coisas boas acontecem aqui dentro

posted by Andréa Aguiar Agosto 13, 2015 0 comments

11203157_412500695598796_4535760506167704182_n

Eram oito da noite. Ela saía do escritório com aquela sensação de borbulhas no peito, aquele friozinho no estômago que sobe até a garganta. Um misto de ansiedade e empolgação tomavam conta dela. Por pouco, não saiu dançando. Olhou para os lados, ninguém pela rua. Poucos carros. O silêncio dominava o ambiente. Mas, dentro dela… Ah, dentro dela tocavam todos os tambores. Ela se sentia livre, produtiva, feliz!

Fazia aproximadamente 1 ano que ela não se dava ao direito de seguir o fluxo do trabalho, de não se preocupar em checar o relógio para a próxima mamada, a hora de pegar o filho na escola, de dar banho, de colocar pra dormir, de estar em casa na hora do jantar.

Decerto, que vez por outra, ela pensava como estavam se virando em casa, o marido e os dois filhos, sem ela. Se o mais novo jantou, se o mais velho chegou bem da escola. Mas o marido ligou, tranquilizou, e mandou um: “take your time”. Presente maior, ele não podia ter dado.

Então ela seguiu. Envolta entre responder emails, finalizar a criação do relatório trimestral de um instituto social, responder pedidos de orçamento, assinar contrato, enviar nota fiscal e fechar novas propostas de trabalho.

Foi o fim do dia perfeito. Ela foi para casa dirigindo o carro, cantando bem alto com os vidros abertos, e agradecendo. Quando chegou em casa, foi recebida pelo filho mais velho correndo com um sorriso no rosto, e um abraço beeem apertado. E viu que esse dia ainda ia render um pouquinho mais.

++++++++++++++++++++++++++++++++

Isso tudo podia não ter acontecido, se anos atrás eu não tivesse tomado coragem, e admitido para mim mesma que eu já não estava mais feliz com o trabalho que eu fazia. Hoje, ainda faltam muitas coisas para o meu trabalho perfeito, mas sinto que eu to no caminho e há muitos dias perfeitos para viver.

PS: A frase que ilustra a foto foi inspirada por uma que está adesivada na porta de um dos muitos escritórios que ocupam o Recife Antigo. A original: “coisas boas acontecem aqui dentro”.
Usei “maravilhosas” para ficar mais em acordo com a pinta que a autora dessa fanpage gostar de dar :))